Cirurgia Bariátrica

A cirurgia bariátrica, também conhecida como redução de estômago, é uma intervenção cirúrgica com objetivo de tratar a obesidade, promovendo a redução de peso. Ela consiste em reduzir o reservatório gástrico e/ou a absorção intestinal. Em casos mais graves, como na obesidade mórbida, que tem o índice de massa corporal maior do que 40 e doenças associadas, mudanças alimentares e prática de atividade física já não são suficientes para tratar a questão.

Nessas situações, apenas uma intervenção médica mais efetiva, como a cirurgia bariátrica, deve resolver o problema. Lembrando que considera-se obesidade mórbida quando o paciente apresenta uma ou mais doenças associadas ao excesso de peso, como hipertensão, diabetes, disfunções respiratórias etc.

Tipos de cirurgia bariátrica

Existem três tipos de cirurgia bariátrica:restritivas, mistas e disabsortivas. Cirurgias que só diminuem o tamanho do estômago são chamadas do tipo restritivo – Banda Gástrica Ajustável, Gastroplastia Vertical com Bandagem ou Cirurgia de Mason e a Gastroplastia Vertical em “Sleeve”. Nessa modalidade a perda de peso acontece através da redução drástica da ingestão de alimentos.

 

Existem também as cirurgias mistas, em que há a redução do tamanho do estômago mais um desvio do trânsito intestinal. Além da redução de ingestão de alimentos, acontece também a diminuição da absorção dos alimentos. Nesta modalidade, as cirurgias podem ser predominantemente restritivas – derivação Gástrica com e sem anel – e predominantemente disabsortivas – derivações bileopancreáticas.

Indicações e contraindicações da cirurgia bariátrica

Estão aptos a fazer a cirurgia bariátrica pessoas que: 

  • Tenham o IMC acima de 40 kg/m² , independentemente da presença de comorbidades
  • Tenham o IMC entre 35 e 40 kg/m² com comorbidades
  • Tenham o IMC entre 30 e 35 kg/m² com comorbidades e que tenham obrigatoriamente a classificação “grave” por um médico especialista na respectiva área da doença.
  • No que diz respeito à idade, entre 18 e 65 anos não há restrições. Maiores de 65 devem ser acompanhados com mais cautela e menores de 18 devem ter a autorização da família, sendo essa responsável pelo acompanhamento durante a recuperação.


As contraindicações residem para pessoas que tenham cirrose hepática, algumas doenças renais e psiquiátricas graves, vícios (droga, alcoolismo) e disfunções hormonais. Todas devem ser avaliadas por profissionais com prática e conhecimento aprofundado neste assunto.

Pré e pós-operatório

Os cuidados a serem tomados antes e depois de cada cirurgia vão depender de cada caso, mas no geral consistem em:

  • Avaliações clínico-laboratoriais com exames de sangue, radiografia de tórax, ultrassonografia e/ou tomografia do abdômen
  • Avaliação cardiológica
  • Endoscopia digestiva com pesquisa de H. Pylori
  • Avaliação da função respiratória – quanto mais obeso o paciente, mais aprofundada essa avaliação.
  • Caso o paciente tenha alguma doença que necessite tratamento e controle prévio, a cirurgia será adiada até que se obtenha a melhor condição clínica.

 

Pacientes que passam por uma cirurgia bariátrica necessitam de orientação nutricional permanente para suplementar a dieta com compostos ricos em proteínas, vitamina B12 e ferro. Cuidados especiais para evitar casos de desnutrição após a cirurgia também são necessários.

A cirurgia bariátrica cresceu

0 %

entre 2011 e 2018 no Brasil.

Só em 2018

foram realizadas

0
Cirurgias

Mesmo assim, essas 63.969 cirurgias representam apenas

0 %
da população brasileira

que teria indicação para
fazer a cirurgia
bariátrica e metabólica
(ou seja, com IMC > 35)

Fonte: Agência Nacional de Saúde (ANS)

Riscos da cirurgia bariátrica

Por ser um procedimento complexo, traz consigo uma gama considerável de riscos. Como toda intervenção cirúrgica, pode ter complicações e até mesmo levar à morte. Perfuração interna, hemorragia, infecções, fístula e embolia pulmonar são alguns dos riscos mais graves. Também pode acontecer: 

  • Náuseas
  • Vômitos
  • Diarreia
  • Fraqueza
  • Cálculos biliares
  • Hipoglicemia (taxa de açúcar baixa no sangue)
  • Desnutrição
  • Vazamento de conexão cirúrgica entre o estômago e intestino
  • Úlceras

Resultados

Depois da cirurgia, o paciente já sai do hospital, em média, com menos dois quilos a menos. Nos primeiros meses, a redução no peso chega a ser de sete a oito quilos. Os pacientes com quadro de diabetes tipo 2 podem precisar reduzir ou interromper o uso de insulina.

A complicação mais difícil de ser tratada é a pressão arterial. Ela demora mais a estabilizar e o paciente não interrompe o uso de medicamentos. 

Todos os tipos de tratamento da obesidade, do mais simples ao mais radical, exigem empenho e determinação. Será sempre necessário um suporte multiprofissional – que trataremos abaixo – e a adequação da dieta às novas metas a serem alcançadas.

Para garantir um bom nível de adesão e o sucesso terapêutico, sua motivação é essencial e pode ser auxiliada por orientações com embasamento técnico e científico de qualidade, ajudando na solução ou diminuição do problema.

Emagrecimento Multidisciplinar

A equipe multidisciplinar é formada por um grupo de profissionais de diversas áreas ou especialidades que trabalham em conjunto a fim de chegar a um objetivo comum. Aqui na Clínica Realize, estamos sempre pensando no bem-estar de nossos pacientes, por isso contamos com uma equipe multidisciplinar formada por profissionais da área da saúde mas com especialidades diferentes que possuem como principal objetivo ajudar nossos pacientes a emagrecerem com saúde. Nossa equipe conta com:

Assessoria Nutricional

A cirurgia bariátrica demanda um acompanhamento nutricional diferenciado.  Naturalmente nosso maior objetivo é proporcionar seu emagrecimento rápido, mas temos que respeitar sua fisiologia gástrica com o novo estômago reduzido.

A avaliação nutricional no pré-operatório de cirurgia bariátrica visa iniciar a perda de peso (recomendado de 5% até 10% do peso inicial), orientar o paciente quanto às implicações nutricionais inerentes ao pós-operatório e a necessidade de adesão ao acompanhamento pós-operatório para o sucesso da cirurgia.

A orientação nutricional no pós-operatório imediato consiste na evolução gradativa da consistência e do volume da dieta, iniciando-se com uma dieta líquida sem açúcar até chegar novamente a consistência geral.

O nutricionista será o responsável por orientar os alimentos permitidos e proibidos durante estas fases, assim como fornecer alternativas, substituições e opções de preparações ao paciente.

Durante todas as etapas do acompanhamento nutricional, deve-se prevenir as deficiências nutricionais, a perda excessiva de massa muscular e reganho de peso a longo prazo. Portanto, o paciente deve seguir hábitos alimentares saudáveis associados a suplementação nutricional e a prática regular de exercícios físicos.

Desta forma, o nutricionista será o responsável pela avaliação qualitativa e quantitativa da alimentação do paciente submetido a cirurgia bariátrica, auxiliando-o na adequação da alimentação, e respeitando suas condições clínicas, psicológicas e metabólicas.

19,8% da população brasileira tem o IMC acima de

0
já considerado obesidade.
são 0
milhões de pessoas

Desses, um 1/3 está com o
IMC maior do que 35

0
milhões de pessoas

Fonte: Vigitel / Ministério da Saúde

Avaliação Psicológica

Quem se submete ao tratamento da obesidade, em específico a cirurgia bariátrica, passa por uma série de mudanças para as quais é preciso estar preparado psicologicamente.  O emagrecimento, para algumas pessoas, pode ser algo muito estressante principalmente depois de várias tentativas de muitas dietas. O momento da tomada de decisão para a cirurgia bariátrica está repleto de expectativas, muitas com fundamento, mas outras disfuncionais.

 

A avaliação psicológica para a cirurgia bariátrica visa estabelecer o quanto esta pessoa está preparada tanto para este procedimento assim como para todo o processo necessário pós cirurgia, uma vez que a obesidade é uma doença que interfere na qualidade de vida tanto nos aspectos físicos, quanto psíquicos e sociais.

 

Questões emocionais podem estar envolvidas na causa e nas consequências da obesidade. A compulsão pela comida pode estar associada a vivências com grande carga emocional que podem afetar o paciente e as pessoas que convivem com ele, que sofre com a dificuldade em emagrecer.

 

O sentimento de ser obrigado a emagrecer se faz presente diante de tamanho sofrimento e acaba por sobrepor-se à necessidade de melhorar a saúde. E por isso se faz tão necessária uma avaliação psicológica antes da cirurgia bariátrica.

 

O psicólogo – especialista em transtornos alimentares – prepara esta pessoa para uma etapa importante em sua vida. A expectativa de uma vida como a de qualquer pessoa e um corpo magro no dia seguinte da cirurgia bariátrica é irreal.

 

Haverá mudanças na rotina que um psicólogo com experiência em transtornos alimentares orientará e preparará esta pessoa. Por este motivo é muito importante o acompanhamento pré e pós operatório.

Por que muitos pacientes voltam a engordar após a cirurgia bariátrica?

0 %
dos pacientes voltam a ganhar peso

Fator principal:

abandono do acompanhamento psicológico pós-cirúrgico

Fisioterapia

A atuação da fisioterapia no tratamento da obesidade como um todo diz respeito à comunicação, orientação e educação em saúde. São múltiplas e variadas as técnicas para este tratamento e nunca deve ser totalmente rotineiro, deve-se realizar uma avaliação e identificação de problemas particulares de cada paciente. A comunicação com membros da equipe multidisciplinar é um elemento essencial em uma assistência de boa qualidade.

Deste modo, uma vez classificados os pacientes de forma apropriada, é realizada uma avaliação postural e respiratória. A fisioterapia pré-operatória deve ser executada de forma breve e concisa, visto que, a quantidade de informações verbais dada ao paciente são muitas nesta fase. Os objetivos são:

  • Melhorar a função pulmonar
  • Promover a higiene brônquica
  • Prevenir embolia pulmonar e infecção das vias aéreas
  • Restaurar amplitude de movimento articular e força muscular
  • Independência nas Atividades de Vida Diárias
  • Diminuir a ansiedade

 

Na internação hospitalar o fisioterapeuta auxilia o paciente na sala de recuperação iniciando um protocolo de atendimento respiratório e motor. O atendimento segue estimulando o paciente a movimentar-se o mais precocemente possível, para que retorne à sua casa mais independente, fazendo assim com que o auxílio de outras pessoas seja breve.

Endocrinologista

A presença de um endocrinologista é importante na avaliação clínica do paciente tanto no pré-operatório quanto no pós-operatório. Antes da cirurgia, o paciente deve passar em consulta com o endocrinologista para avaliação dos critérios de indicação e contraindicações clínicas para a cirurgia bariátrica.

Essa avaliação pré-operatória é sempre realizada através de:

  • Exames de sangue
  • Ultrassom de abdômen
  • Endoscopia digestiva alta
  • Avaliação cardiológica, nutricional e psicológica/psiquiátrica

 

Nos casos de indivíduos diabéticos em descontrole metabólico e que estejam em tratamento com antidiabéticos orais e/ou insulina, a cirurgia deve ser adiada até que o endocrinologista consiga um melhor controle glicêmico, visando diminuir os riscos de complicações durante e após a cirurgia.

Os pacientes operados, além dos retornos com o cirurgião e nutricionista nos primeiros dias após a cirurgia, também deverão retornar ao endocrinologista. A primeira revisão com exames laboratoriais é realizada em torno do 30º dia pós-operatório ou conforme a necessidade.

Os pacientes com diabetes geralmente apresentam melhora glicêmica imediatamente após a cirurgia, sendo que muitos chegam a reduzir ou mesmo suspender o uso de medicamentos. Por fim, os clínicos e cirurgiões devem estar preparados para evitar as deficiências de ferro, ácido fólico e vitamina B12.

Reuniões pré-operatórias

Os encontros mensais são fundamentais para o sucesso das operações. Ali estão reunidas pessoas interessadas no tratamento da obesidade grave. Alguns são portadores desta doença, outros são familiares, namorados (as), esposos (as) e amigos (as) de pessoas obesas que se reúnem para entender melhor os problemas vividos por cada um.

Por outro lado, também estão presentes profissionais de saúde com ampla experiência no tratamento da obesidade e durante as duas horas de reunião trocam informações, sempre procurando esclarecer as dúvidas.

Estes encontros são muito importantes para que uma pessoa ainda não operada tenha contato com outras já operadas, adquirindo informações suficientes para decidir o que fazer quanto à questão da sua obesidade.

 

É fundamental para os já operados poder trocar informações entre si e com a equipe de saúde, sobre como estão se sentindo e como está o andamento do seu tratamento. 

Além disso, para a equipe de saúde que tem um contato com os pacientes operados, é bacana perceber como ajudar estes pacientes para que o resultado, durante o emagrecimento e nas etapas seguintes, seja o melhor possível.

A reunião é composta por duas etapas, sendo a primeira uma palestra (com participação da plateia) sobre um assunto de interesse de todos, relacionado à obesidade. A segunda etapa, tendo como ponto de apoio o depoimento de vários pacientes já operados, consta de uma intensa troca de informações entre a plateia, o depoente e a equipe de saúde.

IMPORTANTE: A decisão de se submeter à cirurgia é pessoal e é você quem terá de decidir se os benefícios atingirão os seus objetivos e se os riscos e complicações potenciais da cirurgia são aceitáveis. O cirurgião plástico ou assistentes vão explicar, em detalhes, os riscos associados à cirurgia. Você deverá assinar o termo de consentimento para assegurar que compreendeu plenamente o procedimento ao qual vai se submeter e quaisquer riscos ou complicações potenciais.

Pensando também na sua segurança, apenas as consultas da Clínica Realize são feitas em clínicas. Todos e quaisquer procedimentos cirúrgicos são feitos apenas em hospitais qualificados.